quarta-feira, 16 de maio de 2018

Um dia por Belmonte

No sopé oriental da Serra da Estrela situa-se a Vila histórica de  Belmonte, terra natal de Pedro Alvares Cabral.


Já tinha visitado Belmonte por duas vezes mas em nenhuma delas tinha dedicado o tempo e a atenção que esta maravilhosa vila merece. Desta vez, apesar de dispormos de um único dia conseguimos aproveitar muito bem o período dispensado.

Saímos bem cedo, as ruas estavam desertas, permitindo  melhor observação e captação de imagens, por outro lado o Museu dos Descobrimentos, encontrava-se ainda encerrado, ponderámos visitá-lo no regresso ao estacionamento mas tal já não aconteceu.
Instalado no Solar dos Cabrais, o Museu dos Descobrimentos.


Do lado oposto encontra-se a estátua de Pedro Álvares Cabral, obra executada por Álvaro de Brée, 1961 e terá sido inaugurada no ano de 1963.



 Pelourinho. Sobre uma base de três degraus octogonais, ergue-se uma coluna de granito composta por quatro blocos cilíndricos. No topo,  a representação de uma prensa de azeite.


Capela do Calvário do séc. XIX, situada junto ao Castelo.


Muito próxima da capela do Calvário, encontra-se a Capela de Santo António. Estima-se que tenha sido construída no séc. XVI ou XVII


Exterior do Castelo de Belmonte.

  
Castelo Medieval, tem a sua história ligada aos descobrimentos, uma vez que os seus Alcaides pertenciam à família de Pedro Alvares Cabral.


Anfiteatro do Castelo de Belmonte 


Janela Manuelina, na lateral do Castelo de Belmonte


Vista do Castelo de Belmonte. Ao longe a serra da Estrela coberta de neve. Tínhamos estado lá no dia anterior , a serra estava maravilhosa. 


Vista do castelo de Belmonte 

Capela de Santiago e Panteão dos Cabrais



Interior da Capela de Santiago


Igreja Matriz de Belmonte- Interior ( em cima) exterior ( em baixo)


Sinagoga de Belmonte 



segunda-feira, 2 de abril de 2018

Cai Neve na Serra da Estrela


Sob o céu breu da ante-madrugada, percorríamos a estrada em direcção à Serra da Estrela.
Fazia dias que a neve caía sem cessar e era esperado um novo nevão, estavam reunidas as condições ideais para fotografar este bonito fenómeno da mãe Natureza.
Durante longos minutos, observámos em  silêncio a montanha adormecida. Não se via vivalma á nossa frente, estrada e montanha eram uma só, como pano de fundo,  árvores
vestiam-se de alva brancura e,  neste branco no branco,  admirávamos extasiados a paisagem extremamente espantosa.
Durante horas, caminhámos por trilhos cobertos de  candura, despertámos a criança que há em nós com bonecos de neve , brincadeiras  esquecidas de crianças e adultos,  admirámos os cristais de gelo e sentimos os  macios flocos que lentamente caíam sobre nós e toda a paisagem,  tornando-a ainda mais branca.
A tarde caía, o céu denso de nuvens e as temperaturas cada vez mais baixas eram indicadores que um nevão se aproximava.  A viagem terminava e eu sentada no banco dianteiro  maravilhava-me com a beleza da paisagem. 

Muitas vezes a descoberta acontece apenas porque nos permitimos estar lá... 










sábado, 20 de janeiro de 2018

Oleiros - Estreito - Álvaro - Orvalho - Rota dos Apalaches


Hoje, revolvendo o baú de fotos despertei memórias adormecidas.

Em Abril de 2016 fizemos uma escapadinha cá dentro,  tendo como destino Oleiros, Castelo Branco.
O tempo passa e a mente não ajuda para relatar ao pormenor quão fantástica foi a experiência  vivida na  altura.

 Calcorreando a Serra do Muradal, descobrimos  frescas cascatas, desbravámos frondosos bosques, palmilhámos alguns pontos da GR38 Grande Rota dos Apalaches ou Grande Rota Muradal Pangeia
 e recuámos milhões de anos, quando os continentes ainda não se tinham separado e fomos, como que transportados para Pangeia, o super-continente de então.

Os Montes Apalaches são uma cordilheira localizada na América do Norte. Uma das mais antigas formações de relevo do planeta. Em Portugal, Oleiros, encontra-se "um pedacinho" dessa cordilheira que o oceano atlântico dividiu... e nós estivemos lá.


Oleiros


Serra do Muradal


A imponente muralha quatzítica que se ergue do denso e exuberante bosque


Cascata D'água alta


Oleiros


Orvalho


A "deusa" da serra do Muradal 


Serra  do Muradal


Por do sol visto de Orvalho


Rio Zêzere 


Miradouro do Zebro


Geossítio do Portelo




Estreito


Oleiros

domingo, 19 de novembro de 2017

À Descoberta das Buracas de Casmilo


Saímos bem cedinho de casa decididos a descobrir umas formas geológicas que,  por um acaso descobri observando fotografia e me encantaram.
Sobre as mesmas,  apenas sabia que se situavam na Serra de Sicó, vergonhosamente confesso que nem desta serra algum dia tinha ouvido falar... valeu-nos a APP  onde partilho e descubro novos lugares para caminhar entre a natureza.
Chegados ao inicio do percurso, o dia acabara de amanhecer, a poucos passos à frente, depará-mo-nos coma as primeiras formações geológicas  que obviamente devido à sua beleza adorámos.
  As mesmas abriram o apetite para a caminhada, a fim de descobrir a tal que tinha visto na fotografia, linda e muito fotogénica, mas infelizmente acabámos por desistir depois de muitas tentativas sem sucesso,  um dia regressaremos e havemos de a descobrir.
Contudo o passeio foi muito agradável e fizemos  uma belíssima caminhada.




Fomos surpreendidos por uma família de gamos , infelizmente não tinha a objectiva correcta mas deu para ficar o registo para recordar..


O percurso é muito bonito